OOPS. Your Flash player is missing or outdated.Click here to update your player so you can see this content.
Associação Aikido dos Açores PDF Imprimir e-mail

Aikido é uma arte marcial criada no Japão na década de 1920 pelo mestre Morihei Ueshiba, a quem os praticantes desta arte respeitosamente chamam Ô-Sensei (grande mestre). Ueshiba concebro o aikido a parir da sua experiência em dezenas de artes marciais, sendo as principais o daito-ryu aikijujutsu, o kenjutsu (técnica da espada) e o jojutsu (técnica do bastão curto).

A Associação da Delegação de Aikido dos Açores, existe desde 2002 e tem como presidente Vitor Cunha e instrutor Mário Medeiros.
Através da seguinte entrevista conheça melhor os objectivos e fundamentos desta arte marcial.

 responsaveis_aikido.jpg
 À esquerda Vitor Cunha, Presidente da Associação
À direita, Mário Medeiros, Instrutor da Associação


Quantos elementos tem?
Temos cerca de 50 pessoas inscritas, em actividade cerca de 20, sendo a maioria crianças.

Qual o principal objectivo da Associação?
O nosso principal objectivo para além de divulgar esta arte marcial é mostrar o prazer que existe na prática do Aikido.
É um desporto federado, não tem competição e que trabalha muito a auto-estima e o autoconhecimento dos praticantes.
A nossa associação para além da parte desportiva tem a uma parte que é fundamental, o convívio e socialização dos atletas, onde organizamos a nossas festas, por exemplo a do natal e contactamos com outros grupos.

Qual a grande filosofia do Aikido?
O Aikido divide-se em três ideogramas, três caracteres japoneses que são AI – Harmonia, KI – energia e DO – caminho. Portanto é a arte da harmonização da energia, isto em termos práticos significa que é uma arte que aproveita-se da dinâmica da força para proveito de quem está a exercer a técnica. Em termos mais práticos a ideia principal é transmitir que, ao fazeres Aikido está experimentar uma sensação de prazer, vais-te libertar, vais fazer movimentos que não fazes no dia-a-dia, isso sem contar com o aspecto da defesa pessoal que também é muito importante.
É uma arte marcial que aperfeiçoa o carácter das pessoas.

Nos vossos praticamente qual é a percentagem de mulheres?
A treinar temos praticamente 50%. A nível nacional a percentagem acaba por ser menor, ou seja mais homens que mulheres. Em França acaba por ser ao contrário a maioria é mulheres.

Que razão existe para esta numerosa representação?
A razão desta grande participação feminina, acaba por estar ligada à essência da arte marcial, isto é, o Aikido é uma arte onde as mulheres não precisam de muita força para vencer, é fácil acontecer um fraco vencer um mais forte
 Além disso a capacidade de coordenação das mulheres é muitas vezes superior à dos homens. O facto de a mulher ter uma bacia diferente da do homem, tornando o centro de gravidade mais baixo, dá uma melhor estabilidade, que acaba por ser um factor positivo na prática do um elemento feminino. Além disso, não nos podemos esquecer que a estrutura das técnicas desta arte marcial está feita e pensada para as pessoas fisicamente mais frágeis, e portanto, acabam por assimilar facilmente as técnicas.
Por ser uma arte marcial que ensina a auto defesa, faz com que seja um factor importante nesta contagem final do número de mulheres a praticar o Aikido.

Em relação aos jovens, são muitos?
Praticamente todos jovens, a média de idades é baixa.

A ausência de competição nesta arte marcial consegue ser um ponto motivador para a manutenção dos praticantes na modalidade?
Bom, o Aikido tem por vezes alguma dificuldade na sua expansão. Mas quem pratica a arte torna-se numa pessoa especial. Grande parte dos aikidocas acabam por ser pessoas que também praticam ou já praticaram outros desportos, onde existe muita competição, como por exemplo o Judo. E ao entrarem para o Aikido, ficam com a uma noção de que as medalhas e as taças não têm qualquer interesse, ou seja, são pessoas com um amadurecimento diferente. Acima de tudo encontram no Aikido um trabalho intelectual e psíquico fundamental. Decidir que se vai fazer um desporto onde não se ganha medalhas e taças acaba por ser uma decisão forte.
É claro que, manter os praticantes não deixa de ser um desafio, mas temos a vantagem de o Aikido ser muito rico em técnicas, pois divide-se na luta corpo a corpo sem armas e com armas. Resumindo, posso levar a vida inteira a fazer Aikido que nunca vou conseguir conhecer e aprender todas as técnicas da arte.
Para um instrutor, o principal desafio é criar uma base sólida nos primeiros anos de prática, para depois esta base servir nas variações que existem. Normalmente quem entra e resiste pelo menos um ano, acaba por ficar muito mais tempo, pois percebe a filosofia e adquire o prazer da prática.
O Aikido é uma arte para a vida.

Para praticar esta arte marcial que despesas são necessárias?
Para além do habitual seguro desportivo temos a quota mensal que está nos 10 euros. Em termos de equipamento é necessário um facto de Judo e só quando se começa a evoluir um pouco mais tarde é que se entram nas armas que normalmente custam cerca de 50 euros.
Mas claro, nós muitas vezes acabamos por facilitar na primeira mensalidade porque não é nosso objectivo estar a ganhar dinheiro com a modalidade, queremos sim promover a pratica desta arte marcial.

Como é vista a vossa associação pela comunidade do Livramento?
Julgo que a associação é muito bem vista. Os nossos praticantes não são pessoas agressivas e estão completamente integrados na comunidade. É claro que gostaríamos de ter mais jovens, infelizmente existem muitos que nem para o deporto nem para nada, o que é uma pena.

Mas independentemente da falta do interesse, a associação intervém com o intuito de ajudar estes jovens?
Sim claro, a nossa porta está sempre aberta. Muitas vezes procuramos cativar estes jovens para a prática desportiva. Por exemplo, à alguns anos atrás tivemos uma parceria com a casa dos Gaiatos onde íamos lá dar algumas aulas e motivar aqueles jovens para pratica do desporto. Infelizmente mais tarde acabou a parceria porque foram feitas algumas alterações que acabaram por não dar continuidade ao nosso trabalho.
Mas para entrar na associação apenas é pedida uma coisa à pessoa, ter que cumprir as regras estipuladas. Deve ser amigos de todos e aproveitar do melhor modo a pratica desta arte marcial. Fazemos questão do grupo ser constituído por pessoas amigas entre si.

Que outras actividades tem a associação?
Fora a parte desportiva, organizamos algumas festas de convívio, como por exemplo a festa do natal. É uma vertente social importante por ser um grupo de pessoas amigas, onde devemos também alimentar o ambiente saudável que se é criado.
Já fizemos alguns intercâmbios com outras associações do continente, isso porque a nossa associação está registada na Federação Portuguesa de Aikido, o que acaba por ser uma acção importante na divulgação e promoção da Freguesia do Livramento.

O que desejam para o futuro da vossa associação?
Claramente uma sede. Actualmente estamos a utilizar um espaço na escola, que é gentilmente cedido, mas que infelizmente não dá as melhores condições. Temos sempre que colocar os tapetes no inicio de qualquer treino e claro no final retirar os mesmos, acabando por dar um muito trabalho e alguma perca de tempo. Tendo uma sede este problema certamente deixa de existir. Para além da situação dos tapetes, neste local não temos balneários, o que às vezes acaba por ser um handicap para quem quer praticar a modalidade.
O facto de também não termos uma sede também impossibilita-nos avançar com outras actividades, por exemplo, é um objectivo nosso trabalhar com as Escolinhas do Desporto, mas torna-se impossível porque à hora que são as aulas de Aikido, o instrutor está sozinho obrigando-o a colocar 32 tapetes sem qualquer ajuda, ou seja, algo completamente inviável.
Com uma sede própria e com uma sala devidamente equipada e preparada, podemos facilmente fazer intercâmbios com crianças das escolas, porque existe o programa Aikido para crianças, onde elas estão num ambiente de maior brincadeira e de introdução à modalidade.
Seria sem dúvida a rampa de lançamento para concretizar as nossas ideias e intercâmbios. Nós estamos a tentar fazer um intercâmbio com um clube de Aikido de Montreal no Canadá. Lá conseguimos o alojamento porque temos familiares, mas cá teríamos que ter um espaço condigno para os receber e poder trabalhar com as condições mínimas.
Pretendemos um espaço onde possamos trabalhar de uma forma séria e criar protocolos com outras associações e movimentos, porque podemos tornar a sede num centro de criação de instrutores para posteriormente irem trabalhar em outras freguesias.

E sobre o Livramento, qual a opinião que têm tendo em conta o desenvolvimento registado nos últimos anos?
O Livramento está a passar por uma transformação muito grande. Basta estar a tento aos projectos de construção que foram apresentados. Actualmente o Livramento é um satélite importante de Ponta Delgada.
É determinante não se esquecer as referências que existem para não tornar o Livramento num dormitório. Aos grupos e movimentos que existem, deve-se dar mais apoios para que estes sejam pilotos desta sociedade, com o objectivo de a tornar mais integrada e activa.

Julgo que se as pessoas começarem a entrar nos movimentos, vão acabar por mais tarde estar melhor inseridas na vida da comunidade, transformando e dando uma nova dinâmica à freguesia.

Acima de tudo sentimos que falta um pouco desta integração, porque o Livramento é uma freguesia da periferia de Ponta Delgada.

 

 
EISnt-Engenharia Informática